BGC PR1 - Entre Carvalhais e Vales encaixados walking

Bragança 13.5 kms 05:00:00

Descrição

O percurso tem início em Rebordainhos e segue para a aldeias de Pereiros, depois da qual se sobe em direção à Fraga Rachada, contornando o Cabeço e apreciando o vale que se abre à nossa esquerda. A vegetação é abundante sendo salpicada pontualmente por lameiros verdejantes. O percurso segue então para Pombares (freguesia agregada a Rebordainhos desde 2013), onde se evidencia a Igreja Paroquial sob a invocação de S. Frutuoso, e de onde se desce para o Vale do Rio Azibo até encontrar a aldeia de Teixedo. Apesar das habitações em ruínas, a Capela de S. Frutuoso encontra-se bem conservada, e em todo este vale permanece o encanto de antigamente... Continuando a acompanhar o rio, rapidamente se volta às proximidades da aldeia de Pereiros. Nessa altura o percurso segue a direção contrária, subindo ao alto das Covas e beneficiando de uma excelente panorâmica sobre o percurso já realizado. O regresso a Rebordainhos faz-se por caminho florestal.

Património Natural

Todo o percurso se desenvolve no Sítio Rede Natura 2000 Montesinho Nogueira. Esta área caracteriza-se por um interessante “mosaico de habitats”, no qual se evidenciam os matos rasteiros, extensos carvalhais de carvalho-negral (Quercus pyrenaica), azinhais (Quercus rotundifolia) de crescimento lento, prados permanentes (lameiros) essenciais à agricultura de montanha, muito baseada na exploração pecuária extensiva de ovinos e bovinos, e ecossistemas ribeirinhos. No que se refere à fauna esta é uma das áreas mais importantes, a nível nacional, para a conservação do lobo (Canis lupus). Na parte ribeirinha do percurso, troço inicial do Rio Azibo, cuja nascente se localiza próximo de Rebordaínhos, será possível encontrar espécies como a toupeira-de-água (Galemys pyrenaicus), a lontra (Lutra lutra), ou o lagarto de água (Lacerta schreiberi).The whole route takes place in the Montesinho Nogueira Site, part of the Natura 2000 Network. This area is characterized by an interesting “mosaic of habitats”, in which it is possible to highlight the low vegetation, the extensive oak woods of Pyrenean oak (Quercus pyrenaica) and Evergreen oak (Quercus rotundifolia) of slow growth, the permanent grassland (meadows), which is essential for mountain farming based on extensive sheep and cattle breeding, and the riverside ecosystems.In relation to fauna, this is one of the most important areas for the wolf (Canis lupus) conservation on a national level. At the riverside part of the route, initial section of the Azibo River, whose spring is located next to Rebordaínhos, it is possible to find species such as the Pyrenean desman (Galemys pyrenaicus), otter (Lutra lutra) or the Iberian emerald lizard (Lacerta schreiberi).

Património Cultural

O nome Rebordaínhos terá origem no étimo latino “robur”, e aludirá à abundância de Carvalhos (carvalho-comum ou alvarinho), que compunham o coberto florestal primitivo desta região. Rebordaínhos foi vila medieval, mas nunca chegou a possuir o estatuto de concelho, embora fosse detentora de autonomia administrativa e judicial. O seu pelourinho terá origem no séc. XVI, tendo sido classificado Imóvel de Interesse Público em 1933. Ao lado deste destaca-se a Igreja Matriz, dedicada a Santa Maria Madalena, um templo oitocentista de proporções medianas e traça austera. Ao longo do percurso é também possível a visita a outros templos: a Capela de Pereiros, a Igreja Matriz de Pombares e a Capela de Teixedo. Associada à Capela de S. Frutuoso, está a existência de uma “fonte milagrosa” em Teixedo, cujas águas curam animais enfermos. A aldeia de Teixedo está atualmente desabitada tendo entrado em declínio nos finais do séc. XVII, início do seguinte.

Percurso